Informações de Oliveira - MG

Home / Informações de Oliveira - MG

 “Quase oliva speciosa in campis”

Origens do município

Povoamento iniciado no Século XVII, para atividades agropastoris e abastecimento das zonas de mineração e da população transitória – tropeiros, viajantes, aventureiros, comerciantes, caça-bugres e milícias contra quilombolas, que embrenhavam os sertões mineiros rumo à Picada de Goiás.

Nome primitivo - Campo Grande da Picada de Goiás. O arraial pertencia à Vila de São José do Rio das Mortes, atual Tiradentes, e já possuía capela em 1758.

Transformado em freguesia em 14 de julho de 1832 e à vila em 16 de março de 1839.

Elevado à categoria de cidade em 19 de setembro de 1861.

O nome da cidade é devido a uma mulher chamada Maria de Oliveira, que possuía uma pousada no local. Existe ainda a versão de que bandeirantes trouxeram, de Portugal, uma imagem de Nossa Senhora de Oliveira, em honra da qual foi erguida uma capela. Até hoje Nossa Senhora de Oliveira é a padroeira do município.

Entre outros nomes que despontaram no cenário político, social e científico do Brasil, Oliveira é terra do cientista Carlos Chagas, descobridor da doença de Chagas e dos ministros Paulo Pinheiro Chagas, Paulo Haddad e Eliseu Resende.

Gentílico: Oliveirense

 

Localização

Latitude - 20º41’45’’ Sul. Longitude 44º49’ 37’’ Oeste.

Centro-Oeste de Minas Gerais, região do Alto São Francisco.

Área territorial - 944 quilômetros quadrados.

Altitudes - De 810 a 1.340 metros, com média de 982 metros.

 

Vias de Acesso

BR-381 (Fernão Dias) – BR-494 – BR-369

Estrada de Ferro Centro-Atlântica

Aeródromo público homologado pela ANAC – Pista de 1.180 metros, asfaltada – balizamento noturno – terminal de passageiros.

 

Limites

Carmo da Mata, Carmópolis de Minas, Passa Tempo, São Tiago, Bom sucesso, Santo Antônio do Amparo, São Francisco de Paula e Resende Costa.

 

População

41.181 habitantes - Censo de 2013

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) 0,770

 

Hotéis

Hotel Vila Mineira – (37) 3331-4008

Hotel Bandeirantes – (37) 3331-4347

Hotel JC – (37) 3331-3434

Pousada Picada de Goiás – (37) 3331-3104

Novo Hotel - (37) 3331-7100

Pit Stop Hotel (37) 3331-5774 

 

Restaurantes

Pizza Grill – (37) 3331-3561

Boulevard – (37) 3331-2200

Do Branco – (37) 3331-3443

Do Manzinho – (37) 3331-3935

Cheiro Verde – (37) 3331-1432

Oliveira Clube - (37) 3331-4036

Sabor Mineiro - (37) 3331-4244

Ranchão Saraiva (37) 98839 - 5251

 

Ensino superior

Fundação Educacional de Oliveira (FEOL)

CURSOS – Direito; Letras; Sistemas de Informação; Pedagogia; Administração. (37) 3331-4075

 

Links

Prefeitura

Câmara Municipal

Diocese

FEOL

 

Serviço de Informação ao Turísta:
Fone: (37) 3331-2322 - Fax: (37) 3331-2575

 

Escola Estadual Francisco Fernandes

É um belo casarão do século XIX doado pelo Coronel Francisco Fernandes de Andrade e Silva para abrigar um grupo escolar que se tornou uma das instituições de ensino mais famosas de Oliveira. A inauguração do grupo ocorreu em 21 de abril de 1909. Em 1996, o prédio foi restaurado, reavendo, novamente, suas características originais. 
Localização: Rua Doutor Carlos Chagas, nº 143, Centro.

 

Escola Estadual Professor Pinheiro Campos

É um outro belo exemplo de casarão do século XIX. Em 05 de setembro de 1930, foi instalado nesse prédio o Ginásio Mineiro, segundo autorização do Presidente de Estado, Doutor Antônio Carlos Ribeiro de Andrada. Em 1937, passou a se chamar Ginásio Professor Pinheiro Campos, e na década de 70, o nome foi alterado para Escola Estadual Professor Pinheiro Campos. Na década de 80, o prédio passou por diversas obras de restauro.
Localização: Rua dos Passos, nº 04, Centro.

 

Escola Estadual Desembargador Continentino

Seguindo as tendências arquitetônicas das primeiras décadas do século XVIII, o antigo Grupo  Escolar Desembargador Continentino foi construído em estilo eclético. Sua inauguração aconteceu em 1930. Os responsáveis pela construção foram os engenheiros Paulo Euler e Alberto Woods Soares. Até hoje, a escola é uma referência educacional na cidade.
Localização: Rua Francisco Cambraia Campos, nº 622, Centro.

 

Escola Estadual Mário Campos e Silva

Também em estilo eclético, a função original desse prédio foi sediar um Hospital Colônia, tendo como modelo a instituição de Barbacena. Mas, seu objetivo principal era atender aos casos de neuropsiquiatria infantil. Em 1928 e 1929, as obras foram conduzidas pelo engenheiro José Zurquim. A partir da década de 50, o prédio abrigou várias instituições de ensino na área comercial.
Localização: Rua Oswaldo Cruz, n° 289, Bairro São Sebastião.

 

Casa da Cultura 

Esta bela e imponente construção teve seu início em 1884 para ser residência da família do Coronel Teodoro Ribeiro de Oliveira e Silva. Em 1913, o imóvel foi vendido para o Estado que, alí, instalou o Primeiro Passo Judiciário de Oliveira. Até 1977, foi sede do Fórum.
Pelo Decreto-lei nº 19.112, de 28 de março de 1978, a casa foi tombada pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico – IEPHA. Hoje, a casa abriga também o Arquivo Público e o Memorial Carlos Chagas e possui uma ativa vida cultural. Nela, acontecem exposições de arte, aulas de pintura, apresentações teatrais e outros eventos culturais.

 

O Memorial Carlos Chagas

Em 1º de dezembro de 1983, foi criado o Memorial Carlos Chagas com o objetivo de resguardar e divulgar a trajetória do cientista oliveirense Carlos Chagas. O Memorial também possui um programa de incentivo à pesquisa nacional sobre a doença de Chagas e seus aspectos de profilaxia, tratamento e erradicação, concedendo, em 9 de julho de cada ano, a medalha de mérito às pessoas e instituições que vêm se destacando nesse trabalho. 
O acervo possui quadros, livros, medalhas e fotos referentes e pertencentes a Carlos Chagas.
Funcionamento: das 8 às 18 horas. 

 

Catedral de Nossa Senhora de Oliveira 

Em dezembro de 1929, teve início a construção da Catedral de Nossa Senhora de Oliveira, no mesmo local onde existiu a Capela de Nossa Senhora do Rosário. Sua conclusão, entretanto, só ocorreu 56 anos depois. O projeto, de autoria de Pedro Bax, foi idealizado dentro das linhas do ecletismo, estilo então predominante na década de 20. Os estilos que inspiraram a construção foram o românico e o gótico. Devido ao fato da construção ter se arrastado por vários anos, o projeto inicial não foi respeitado, o que motivou diversas alterações.
Seu momento mais importante foi quando ocorreu sua sagração como Catedral da Diocese de Oliveira.

 

Conjunto Paisagístico da Praça da Praça XV Novembro 

Seja religioso, profano ou civil, a Praça VX de Novembro é o espaço dos eventos e a grande referência de Oliveira. Como em todas as cidades que surgiram dos pequenos povoados, as transformações urbanas foram inevitáveis ao longo do tempo. Além do testemunho arquitetônico da Matriz setecentista, a praça conta com vários exemplos da arquitetura civil colonial e do ecletismo do final do século XIX e princípio do século XX. O prédio que abriga a atual Casa da Cultura, ali situado, foi o grande destaque nesse período.
No passado, esta praça era conhecida como Largo da Matriz, justamente por abrigar o principal templo da cidade. Ela já abrigou inclusive o cemitério de Oliveira. Até a segunda metade do século XIX, os sepultamentos eram realizados no interior das igrejas.  Mas, a partir dessa época, a Saúde Pública proibiu esta prática no interior dos templos e a solução foi criação dos cemitérios ao lado das igrejas. Só após a Proclamação da República foram organizados no Brasil os cemitérios municipais. 
Hoje, é na Praça XV que pulsa a vida comercial e financeira da cidade.

  

Igreja do Senhor dos Passos 

As celebrações da Semana Santa estão diretamente ligadas a essa singela capela que possui linhas arquitetônicas simples. Sua construção foi iniciada, provavelmente, na primeira década do século XIX, ganhando sua única torre, central, por volta de 1831.
Nesse templo, está guardada uma relíquia da Santa Cruz que foi enviada pelo Papa João XXIII à Diocese de Oliveira, após o pedido de Dom José Medeiros Leite, primeiro bispo de Oliveira. Até hoje, é aqui que se celebra as principais cerimônias da Semana Santa na cidade. 
A igreja também possui uma imaginária de alta qualidade.  As duas principais obras - um Senhor dos Passos e uma Nossa Senhora das Dores - foram esculpidas, em 1876, no Porto, Portugal, por João da Fonseca Lapa. Após uma viagem de três meses entre Rio de Janeiro e Oliveira, essas imagens foram recebidas com muita alegria e festa pelo povo, que ficou arrebatado com a beleza das esculturas.

 

Igreja Matriz de Nossa Senhora de Oliveira 

A Matriz de Nossa Senhora de Oliveira é o mais importante patrimônio religioso do município.  Sua construção teve início, provavelmente, entre os anos de 1754 e 1758, quando o Padre Miguel Ribeiro da Silva propôs ao povo erguer um novo templo em substituição à capela que já estava em precárias condições. A construção só foi finalizada em 1856 com a conclusão da última torre.
Seu projeto arquitetônico segue as linhas do barroco-rococó - em voga na Capitania de Minas Gerais na segunda metade do século XVIII - com torres redondas e frontão com recortes sinuosos. Sua portada apresenta um belo e sóbrio trabalho em pedra sabão, no qual se tem um nicho com a imagem da Virgem trazendo nos braços o Menino Jesus.
O ponto alto da decoração interna é o forro da capela-mor. A temática é a Virgem sendo coroada pela Santíssima Trindade. A cena está dentro de um medalhão todo cercado de singelas flores, bem ao gosto da decoração rococó. Complementando a pintura ao redor do forro, estão os quatro doutores da igreja e os quatro evangelistas. O conjunto da obra é de extrema graciosidade.   
No templo, tem-se a inscrição “Quase oliva speciosa in campis”, que significa “qual oliveira espiosa no campo” e serve,  hoje, como um lema para Oliveira.  
No final da década de 80, a igreja foi restaurada, o que valeu a respeitável observação: “a restauração da matriz de Oliveira é exemplo de tomada de consciência e participação de uma comunidade em defesa de seus bens culturais. A Igreja setecentista recupera suas características originais, após um cuidadoso restauro.” (Ângelo Oswaldo)

 

Monumento ao Cristo Redentor 

Este monumento inaugurado em 1996 é uma referência para a cidade de Oliveira. Instalado em um local estratégico, a 700 metros de altitude, pode ser visto de todos os pontos da cidade, inclusive à noite, devido a sua boa iluminação. Dele, têm-se a melhor vista da cidade. O local onde está instalado é conhecido como Morro do Cristo.

  
 
Pedra Balão 

É uma pedra de formas redondas, que lembra um balão, sustentada por outras de porte bem menor. Esta interessante formação que mede cerca de 4,5 metros de altura está localizada na Fazenda do Sr. Geraldo Machado, a 6 km do centro de Oliveira.

 

Referências Urbanas 

AVENIDAS 

Avenida Pinheiro Chagas

Logo no início dessa movimentada avenida, o visitante já se depara com os importantes casarões de Oliveira, datados do princípio do século XX. A Pinheiro Chagas é uma das avenidas mais importantes da cidade, tanto que, em 1999, ganhou um projeto paisagístico que lhe deu vida nova.

 

RUAS

Rua Doutor Coelho Moura

Famoso ponto de encontro dos Oliveirenses, essa rua era a principal via comercial de Oliveira até a década de 60. É nela que se concentram os munícipes e visitantes para as folias do carnaval.
Uma curiosidade desta via está situada mais precisamente na esquina com a Praça José Ribeiro Silva: trata-se de um antigo poste de iluminação pública que foi preservado e ainda possui um sistema de roldana através do qual o acendedor subia e descia o lampião.

 

PRAÇAS

Praça Mãe dos Homens

Este é o ponto inicial de Oliveira. Ali, teve origem o povoamento, bem às margens da Picada de Goiás. Nela, foi erguido o primeiro templo local, em homenagem a Nossa Senhora Mãe dos Homens. Atualmente, no centro dessa praça, existe uma imagem em homenagem a Senhora Mãe dos Homens.

 

Praça Manuelita Chagas

Seu antigo nome foi Praça do Cruzeiro. Ela já foi um importante espaço para a cidade, pois era ali que ficava a Estação Ferroviária, o que acabou gerando uma concentração de casas comerciais. Nela, estão o Palácio Episcopal e o Hospital São Judas Tadeu, construído no lugar da antiga Estação. A praça também já foi o ponto preferido por políticos para a realização de comícios. O nome atual é uma homenagem à educadora Manuelita da Costa Chagas, fundadora da Escola Normal de Oliveira.

 

IGREJAS

Capela Nossa Senhora da Misericórdia

De inspiração gótica, essa capela foi inaugurada em 16 de setembro de 1929 para ser a Capela da Santa Casa de Misericórdia. Ocupou esta função até 1970 quando foi inaugurado o Hospital São Judas Tadeu.  A partir de então, passou a pertencer à Paróquia de Nossa Senhora de Oliveira. 
Localização: Rua da Misericórdia , s/nº.

 

Igreja Nossa Senhora da Aparecida

È nessa igreja que acontece a grande festa em homenagem a Nossa Senhora da Aparecida em Oliveira. 
Localização: Praça Miguel Madeira, s/nº.  Bairro Aparecida

 

MONUMENTOS

Monumento aos Pracinhas

Este monumento de 1968 é uma homenagem ao pracinha Omar Bento do Nascimento, morto em campo de batalha, e a todos os que lutaram na Segunda Grande Guerra.
Localização: Praça Pio XII, s/nº. Centro

 

EVENTOS

- Festa do Congo

- Carnaval - É um dos mais tradicionais do Estado, tendo como símbolo o mascarado Cai-N Água e o bloco Pelo Amor de Deus, como uma das atrações.

- Semana Santa - Consta de atos litúrgicos internos e de tradicionais e grandiosas procissões luminosas à moda setecentistas com Irmandades, figuras bíblicas (destaque para a Madalena e Verônica), imagens do sec. XIX, crianças vestidas de anjo, acompanhamento de música barroca, etc.

- Festa do Mês de Maria

- Festa do Peão

  

Outubro

03 à 12 - Jubileu de Nossa Senhora da Conceição Aparecida.
Orações da Novena, celebrações Eucarísticas, consagração a Nossa Senhora Aparecida, procissões.